O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente.

Mario Quintana

25 de abr de 2014

Quase um Sonetinho de amor



Quero te encontrar nos meus sonhos,
E profundamente mergulhar no teu vôo.
Quero a incerteza dos teus pensamentos,
A duvida do teu olhar e a sanidade dos teus atos.
Quero ser teu segredo, teus mistérios,
Imaginar-te em mim a cada dia
Ser a tua real fantasia.
Quero a riqueza dos detalhes do teu corpo,
A delicadeza dos atos do teu coração,
A volúpia da tua paixão.
Quero o cheiro da tua boca,
A sonoridade das tuas palavras,
A densidade dos teus carinhos
E a intensidade da tua alma!
Magna Vanuza Araújo

3 comentários:

  1. Um poema denso de amor,muito bom.Em breve te darei um sinal.Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Uma maravilhosa construção poética.
    Um soneto livre, mas com conteudo.
    Tenha uma linda noite.
    Beijos, Neneca.

    ResponderExcluir
  3. Shirley vasconcelos14 de setembro de 2010 06:40

    Como sempre, escrevendo e encantando!!!!!!!! que lindo poema!

    ResponderExcluir

Adubos