O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente.

Mario Quintana

22 de fev de 2015

Entradas, estradas.



Sou feita de caminhos fartos,
Se caio, levanto, avisto estradas,
vou caminhando.
Se paro, reflito, parto...
sou projetada pra seguir,
seguir em frente...
Os tombos fazem parte do percurso.
Não sinto vazios profundos,
quando a meta é superar desafios.
A vida, a vida é passageira
e passa como mágica,
Cada minuto é passado.
As passadas são ilimitadas.
E o que ficou pra trás, será apenas
lembrança.
Se não posso voar, caminho
pelas vantagens ou desvantagens
que o destino me reservar.
Nas avenidas, nos descampados,
nos becos sem saída,
nas estradas, entradas da vida.

Magna Vanuza Araújo

Foto: Priscilla Araújo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adubos