O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente.

Mario Quintana

9 de mar de 2013

Instante


Já se faz tarde,
O sol se pôs,
as estrelas nem reluziram
seus primeiros raios...

Entre o clarão e a escuridão
o dia se deita sobre o crepúsculo,
E a noite o cobre com um manto Negro.

O grito sombrio do vento que ecoa
assusta o bando que voa,
lá para as bandas dos precipícios
onde grita o vento espremido.

E até que o manto negro cubra o dia,
e o amanhã acaricie o medo,
As horas jazem em instantes segredos.


Magna Vanuza Farias Araújo
|Direitos Reservados|

3 comentários:

  1. Um dos mais lindos intantes que já pude ler!
    Uma alma Poética
    simplesmente Maravilhoso!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Esse Poema foi realmente um intante maravilhoso,
    entre o criador e eu,
    entre a o dia e a noite,
    o entardecer e o anoitecer
    o céu plumbeo, rubro....

    ResponderExcluir

Adubos