O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente.

Mario Quintana

21 de out de 2011

Algo Incluso



Gosto dos movimentos dos teus dedos
no meu corpo.
Da saliva que banha meus seios
do suor que transpiras enquanto me amas.

Meu homem amado,
desejado...
antes de ti, amado meu
o amor era abstrato, inaxato..
agora, a paixão se mistura
o amor vai a loucura.

Concretamente.

Magna Vanuza Araújo
|Direitos Reservados|


2 comentários:

  1. Como gosto desses poemas teus:
    Calientes, envolventes...
    Nossa!Que homem este, merecedor
    de tão explendoroso sentimento e digno de merecer um poema tão lindo!
    Queria fosse eu esse homem...

    ResponderExcluir
  2. Esse poema é quente hein!
    Vim agradecer seu voto e comentários.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Adubos