O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente.

Mario Quintana

22 de abr de 2010

Poema à Tia Marina Leal


Ô Marina, mulher!
Mãe menina, sonhadora.
Marina da boneca de pano tardia.
Marina de um amor inefável
Marina da valentia.
Marina de sonhos singelos...
Cabelos de sol encaracolados.
Marina sonhadora!
Marina que já foi Professora.
Que olha as estrelas com encanto!
Marina Saudosista.
Marina do espanto!
Marina, eterna menina...
O tempo de Marina,
É o mesmo da rocha que o vento
Bate todos os dias e todas as noites,
Moldando pouco a pouco...
Mas Marina como a Rocha, permanece intacta,
Ô Marina...
Roubaram os teus sonhos de menina.
Mas o brilho dos teus olhos,
Marina, menina,
são encantamentos
Mulher inocente,
Felicidade ausente.
Marina conformada,
Marina confiável
Marina Leal...
Marina de contos de fadas
Das sombrinhas, dos leques,
Das saias longas, sapatilhas de bailarina...
Para fazer Marina feliz, basta uma flor!
Marina ainda brinca de boneca, como menina.
Assim é Marina: filha de Luzia e Austerliano,
Marina dos quinze irmãos. 
Mãe de César, Carlos, Celso e Cláudio
Marina de Edvaldo.
Eterna menina: esta é Marina
 Magna Vanuza Farias Araújo

Um comentário:

  1. As pessoas que amo e mais amei são todas com 'M'. Marina (minha minha mae), Madonna, Marina Lima, Maria Bethânia, Marisa Monte, Miguel, Márcio, Mathieg (Georges), Magna (prima e poetiza). Adorei o peoma feito em homenagem a minha mae. Obrigado! Um beijo enorme. Amo e a admiro muito!
    Cralinhos

    ResponderExcluir

Adubos