O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente.

Mario Quintana

21 de jul de 2011

Poros




Evapora-se pelos meus poros
um sentimento de nojo
De ânsia
De repulsa

Escorre pelos meus poros
As Mágoas desatentas
As dores purulentas
As feridas sangrentas

Esvazia-se pelos meus poros
A previsão do amor
A esperança de cor
A sobrevivência

Sangra pelos meus poros
O anseio
O receio

Esgota-se pelos meus poros
A esperança
A confiança
A tolerância

Magna Vanuza Araújo
|Direitos Reservados|

Um comentário:

  1. às vezes sinto-me assim, bem assim!
    Muito bom

    ResponderExcluir

Adubos